Crivella cria código disciplinar para aplicativos de transporte - Motoristas não poderão ser informados previamente de destino de usuários


RIO — Em decreto publicado nesta sexta-feira no Diário Oficial da cidade do Rio, o prefeito Marcelo Crivella cria uma espécie de  código  disciplinar para os motoristas de aplicativos , como Uber e 99, que inclui multas para os participantes do sistema chamado Prover (Provedores de Rede de Compartilhamento). O decreto, entre outros pontos, proíbe que os aplicativos tenham acesso a corredores de tráfego, como as faixas de BRS, impede a criação de bolsões de veículos nas ruas e a exibição de publicidade nos veículos. Apenas poderão integrar o sistema carros com quatro portas e equipados com ar condicionado. Um artigo do decreto proíbe que os motoristas sejam informados previamente sobre o destino dos usuários antes do embarque no veículo.

O prefeito Marcelo Crivella comentou as novas normas:

- Essas medidas significam que, a partir de agora, o motorista de aplicativo terá as mesmas obrigações exigidas do condutor de táxi no município. Por exemplo: ele não pode cobrar fora do que está previsto; o veículo tem que estar devidamente licenciado; o carro não pode mais ser de qualquer idade de uso; o motorista não pode fumar dentro do automóvel. Ou seja, há uma série de ações que são exigidas dos motoristas de táxis e que não eram exigidas dos condutores de aplicativos. Agora, passa a ter paridade. As multas são pesadas, além de outras penalidades, que podem, inclusive, impedir o infrator de exercer o transporte de usuários - ressaltou ele.

Em evento no Palácio da Cidade no fim da manhã, o prefeito voltou a comentar o tema:

— Os aplicativos são uma realidade. O povo do Rio de Janeiro e do mundo inteiro usa os aplicativos. A gente tem que se acostumar, mesmo os taxistas. Só que é necessário que os motoristas cumpram os mesmo deveres exigidos dos taxistas. Por exemplo: o motorista não pode parar no meio da viagem para abastecer — diz Crivella.


Você achou esse artigo útil?